Análise: Brasil sobra na primeira fase do Pré-Olímpico e divide favoritismo com Argentina – globoesporte.com

Seleção sub-23 termina fase de grupos com 100% de aproveitamento e melhor ataque do torneio

Melhores momentos de Brasil 2 x 1 Paraguai pelo Pré-Olímpico Sub-23

Melhores momentos de Brasil 2 x 1 Paraguai pelo Pré-Olímpico Sub-23

A superioridade do Brasil em relação aos adversários na primeira fase do Pré-Olímpico foi gritante. Em alguns momentos, os jovens do time sub-23 pareciam enfrentar garotos mais novos, de categorias inferiores. Nem mesmo diante do Paraguai, na última sexta-feira, quando o técnico André Jardine decidiu poupar dez titulares, a Seleção foi inferior. Embora tenha saído atrás no placar, o Brasil criou as melhores oportunidades da partida, teve calma para buscar a virada e venceu por 2 a 1, mantendo 100% de aproveitamento no torneio.

Dominante e envolvente, a seleção sub-23 terminou a fase de grupos com média de 65,7% de posse de bola. Também tem o melhor ataque da competição, com 11 gols, quase três por jogo.

Não resta dúvidas de que o Brasil é o grande favorito a ficar com uma das duas vagas nos Jogos de Tóquio, em julho.

Isso não quer dizer, porém, que não haja problemas na equipe canarinho. Há um desequilíbrio defensivo reconhecido até mesmo pelo técnico André Jardine, que avisou que não irá abrir mão de suas características (em especial a saída curta, com a construção a partir do goleiro e dos zagueiros), mas não descartou mudar peças.

Jogadores titulares e reservas do Brasil comemoram gol sobre o Paraguai — Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Jogadores titulares e reservas do Brasil comemoram gol sobre o Paraguai — Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Jogadores titulares e reservas do Brasil comemoram gol sobre o Paraguai — Foto: Lucas Figueiredo / CBF

O quadrangular final apresentará adversários mais qualificados, sendo a Argentina o principal deles. Também com quatro vitórias no torneio, a seleção alviceleste possui mais solidez na marcação (só foi vazada duas vezes) e jogadores com maior capacidade decisiva. O camisa 10 Alexis Mac Allister, que acaba de trocar o Boca Juniors pelo Brighton, da Inglaterra, é o principal deles.

A Colômbia, por sua vez, está num nível inferior, mas contará com o apoio da torcida, que já na primeira fase lotou os estádios. Nenhum rival do Brasil na fase de grupos contou com um jogador desequilibrante como Carrascal, camisa 8 dos donos da casa.

O quadrangular final exigirá um elenco forte, visto que serão disputados três jogos num intervalo de seis dias. Aí está outra vantagem brasileira. Jardine pode se dar ao luxo de ter no banco de reservas o artilheiro do Pré-Olímpico, Pepê, autor de três gols. Ao lado dele está Reinier, contratado pelo Real Madrid há duas semanas por quase R$ 140 milhões.

Além de reparar as fraquezas defensivas, para carimbar o passaporte para Tóquio a seleção sub-23 precisa se manter forte mentalmente, resistindo à catimba e repelindo a soberba.

A estreia na fase final será na segunda-feira, diante da Colômbia, às 20h (de Brasília). Faltam três partidas para o Brasil se garantir na Olimpíada e defender o ouro conquistado no Rio em 2016.

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *