Crime sem castigo, forma sem substância

Entre os meus afazeres profissionais está o contribuir para a formação académica de jovens que serão os economistas de amanhã, quiçá futuros líderes da nossa sociedade. No domínio da informação financeira das empresas, há um assunto que nunca consigo transmitir-lhes sem dificuldade: o das normas (regras) que subjazem à preparação dessa informação. Não descartando a culpa que neste domínio tenho, devido à minha incapacidade de os motivar para o assunto, o facto é que fico sempre com a ideia de que, de modo geral, jovens e normas não ligam bem.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *