‘Deixei de ser goleiro para ser o jogador que foi chamado de macaco’, desabafa Aranha


Esportes

Programa ‘Estação livre’ debate, na TV Cultura, ações de racismo dentro do esporte com o ex-goleiro Aranha, de Santos, Palmeiras, Atlético-MG e Ponte Preta

‘Deixei de ser goleiro para ser o jogador que foi chamado de macaco’, desabafa Aranha

O Estação Livre desta sexta-feira recebe o ex-goleiro Aranha para falar sobre racismo no esporte. O programa inédito, apresentado por Cris Guterres, também aborda o preconceito dento do universo do futebol feminino. Para falar sobre o tema, a atração conta ainda com a presença de Adilson Moreira, que é doutor em Direito Constitucional. A atração vai ao ar a partir das 22h, na TV Cultura.

+ TABELA: Confira os resultado dos jogos desta semana na Copa do Brasil

+ Começou o Brasileirão! Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

Mário Lúcio Duarte Costa, mais conhecido como Aranha, foi considerado o melhor goleiro do Campeonato Paulista em 2008, mas começou treinando em uma escolinha de futebol em sua cidade natal, Pouso Alegre, em Minas Gerais. No programa, ele comenta:

– Eu praticamente deixei de ser goleiro para ser o “jogador que foi chamado de macaco“.

+ Arboleda em festa clandestina: veja atletas que aprontaram na quarentena

Para falar sobre a discriminação racial nos diferentes esportes populares do Brasil, Cris Guterres conversa com o professor Adilson Moreira, doutor em Direito Constitucional, que conta com um histórico acadêmico que sempre foi voltado para a garantia dos Direitos Humanos e estudos antidiscriminatórios.

– O objetivo fundamental da narrativa da democracia racial é impedir o estabelecimento de qualquer tipo de conexão entre a opressão negra e o privilégio branco – diz Adilson.

A primeira reportagem do programa fala sobre Rogério Clementino, primeiro negro a integrar uma equipe brasileira de hipismo e participar no Adestramento na história das Olimpíadas.

O Estação Livre segue para os esportes aquáticos e conta a história de Edvaldo Valério e de Etiene Medeiros. Edvaldo, um garoto que cresceu na periferia da capital baiana e foi o primeiro homem negro a ganhar uma medalha da natação brasileira nos Jogos Olímpicos. E Etiene, que começou a nadar para anemizar a asma e que atualmente é recordista mundial dos 50 metros costas em piscina curta tendo alcançado o triunfo em Doha 2014.

Veja também

+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

+ Faustão é internado em hospital de SP

+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos

+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19

+ Atriz pornô Lana Rhoades abandonou date ‘ruim’ com estrela da NBA

+ Filha de Fátima Bernardes e William Bonner exibe boa forma em clique de biquíni

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio

+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *