Educadores físicos e empresários fazem novo protesto em Cuiabá

Profissionais de educação física e empresários do ramo fizeram um protesto em frente à Prefeitura de Cuiabá, na tarde desta terça-feira (26), pedindo a reabertura das academias da Capital. No dia 20 de abril, ao assinar o decreto 7886 que flexibilizou a abertura do comércio, o gestor disse que shoppings centers, bares, restaurantes, academias, clubes e similares poderiam funcionar a partir de maio, mas, para tanto, um novo decreto seria editado, o que não ocorreu.

Na Praça Alencastro, um grupo de aproximadamente 60 pessoas fez exercícios físicos e gritou palavras ordem, pedindo para voltar a trabalhar e reforçando que exercício físico é considerado um serviço essencial, pois trata de saúde. Em seguida, seguiram para a Praça 8 de Abril para repetir o ato.

Leia também – Decreto permite abertura gradual do comércio em Cuiabá

Carlos Alberto Eilert, presidente do Conselho Regional de Educação Física (Cref-MT), explica que o protesto busca sensibilizar as autoridades para a “situação de penúria” que profissionais e empresários enfrentam há mais de 60 dias. “O prejuízo hoje é enorme. Temos hoje algumas manifestações e estudos que dizem que 30% das academias não vão abrir mais depois que a pandemia acabar. Temos feito um apelo à população para não deixar de pagar sua academia, seu personal trainer. Agora, para que tudo isso aconteça, a primeira coisa que as autoridades tem que se preocupar é em liberar somente para as academias constituídas, registradas. Não podemos abraçar academias e pessoas que não estão credenciadas”, alerta em entrevista ao .

Na Capital, o presidente diz que há aproximadamente 200 academias registras e outras 200 que não têm permissão para funcionar. Carlos Alberto acredita que há uma sinalização boa por parte do prefeito, pois o assessor de gabinete Emanuel lhe solicitou para pedir a documentação das academias.

Eduarda Fernandes

Celso Mitsunari

Celso Mitsunari, dono da academia Medley e representante da Associação Brasileira de Academias (Acad), garante que o setor está empenhado em proporcional um ambiente seguro aos alunos de academia e se comprometem a seguir todas as normas que venham ser impostas em novo decreto.

“A prefeitura autorizando a reabertura, vamos seguir os critérios dela. A Acad produziu uma cartilha de recomendações que é baseada nas academias que já reabriam na Ásia, na China, nos países da União Europeia e nos Estados Unidos. E essa cartilha tem todo respeita todos os critérios da OMS e está à disposição para todos os donos de academia”, comenta.

Carine Silva da Silva, proprietária de uma empresa de consultoria presta serviços em condomínios, explica que o protesto também tem como objetivo exercitar o reconhecimento dos profissionais da área e destacar a importância do exercício físico para a saúde, tanto física, quanto mental, principalmente considerando todo o estresse gerado pelo isolamento social. “A gente só quer a possibilidade de voltar a atender nossos clientes”.

Outro lado

Por meio de nota, a Prefeitura de Cuiabá reforça que mantém o diálogo com todas as categorias. “O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, vem estudando medidas a serem adotadas. O anúncio será feito na quinta-feira (28),por meio das redes sociais”, informa. 


Neste sentido, cita o artigo 6º do Decreto 7886/2020, que define que “shoppings centers, restaurantes, bares, lanchonetes e congêneres, academias, clubes e similares” só podem reabrir depois que a Prefeitura de Cuiabá editar novo decreto.

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *