Polícia brasileira pede ao Facebook dados de contas ligadas a funcionários de Bolsonaro

A Polícia Federal brasileira pediu acesso aos dados recolhidos numa investigação feita pela rede social Facebook, que na semana passada eliminou várias contas e páginas ligadas a funcionários do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e aos seus filhos.

A informação foi avançada pelo jornal Folha de S.Paulo, que acrescentou que as autoridades brasileiras pediram celeridade no envio dos dados, para evitar que os envolvidos apaguem o material.

O pedido foi feito através de inquéritos que tramitam em sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF), que investigam a disseminação de notícias falsas e o financiamento de actos antidemocráticos, como o encerramento do Congresso e do Supremo, assim como o regresso de uma ditadura militar.

Na quarta-feira passada, o Facebook anunciou que eliminou uma série de contas e páginas dedicadas à difusão de notícias falsas ligadas a funcionários de Jair Bolsonaro, e a dois dos seus filhos.

A rede social informou que removeu um total de 35 contas pessoais, 14 páginas e um grupo no Facebook e outros 38 perfis no Instagram, algumas das quais se faziam passar por meios de comunicação, criavam pessoas fictícias e promoviam “discursos de ódio”.

A empresa afirmou que a rede está ligada a funcionários dos escritórios de Bolsonaro e dois dos seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro, além de dois parlamentares do Partido Social federal (PSL, formação política com que o actual Presidente se elegeu, mas que abandonou no ano passado), Alana Passos e Anderson Moraes.

“Embora as pessoas por detrás dessa actividade tentassem ocultar as suas identidades e coordenação, a nossa investigação encontrou ligações para indivíduos associados ao PSL e a alguns dos funcionários dos escritórios de Anderson Moraes, Alana Passos, Eduardo Bolsonaro, Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro”, indicou o Facebook em comunicado.

A rede social revelou ainda que cerca de 883 mil perfis seguiam uma ou mais das páginas vinculadas a Bolsonaro e outras 917 mil pessoas eram seguidores de uma ou de mais contas no Instagram, que foram agora removidas.

Bolsonaro é investigado pelas autoridades eleitorais em processos por alegadamente ter usado robôs para difundir notícias falsas durante a campanha eleitoral que o levou à presidência, em 2018.

Também o Supremo brasileiro abriu uma investigação no mês passado contra aliados e amigos próximos do Presidente, por suspeitas de usarem as redes sociais para espalhar propostas antidemocráticas, como encerramento do Congresso e do STF, e o regresso de uma ditadura militar.

A autorização para a Polícia ter acesso aos dados do Facebook cabia ao juiz Alexandre de Moraes, que ao final da manhã desta quarta-feira atendeu ao pedido das autoridades, segundo o jornal Estadão.

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *