Quem é Frederick Wassef, o ‘ministro sem pasta’ de Bolsonaro que hospedava Queiroz

Frederick WassefDireito de imagem
Reuters

Image caption

Queiroz estava em Atibaia, em uma propriedade do advogado Frederick Wassef, que presta serviços à família do presidente

Na manhã desta quinta-feira (18), homens da Polícia Civil de São Paulo e do Ministério Público do Estado cumpriram um mandado de prisão preventiva contra Fabrício José Carlos de Queiroz – ex-chefe de gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e pivô do escândalo das “rachadinhas” que envolve o senador, filho do presidente da República.

Queiroz foi encontrado pelos policiais em uma casa no bairro Jardim dos Pinheiros, em Atibaia (SP). O local onde o ex-policial militar carioca estava escondido pertencia ao advogado criminalista paulistano Frederick Wassef, de 53 anos.

Advogado de Flávio nas investigações sobre o esquema das “rachadinhas”, Wassef também já defendeu o próprio Jair Bolsonaro.

Hoje, é considerado e um dos conselheiros mais influentes do presidente em assuntos jurídicos – mais até que alguns ministros que despacham no Palácio do Planalto. É por causa dessa proximidade que a operação desta quinta-feira foi batizada de Anjo. O nome é uma referência à forma como Wassef é às vezes tratado por membros da família Bolsonaro.

Segundo o delegado da Polícia Civil de SP Nico Gonçalves, que atuou na operação, um caseiro que tomava conta da propriedade disse que Queiroz estava morando na casa há um mês.

Em setembro de 2019, Wassef respondeu com ironia a uma pergunta sobre o paradeiro de Queiroz, dizendo que não era responsável pela defesa do ex-chefe de gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj).

Em outubro, mais uma resposta evasiva: “Como é que vou saber (sobre o paradeiro de Queiroz)? Ele tem um CPF e eu tenho outro. A última vez que falei com Queiroz foi quando, após a cirurgia do câncer, liguei para saber se estava tudo bem. E nunca mais falei com ele. Não sei onde está, não tenho informação”, disse Wassef ao jornal O Estado de S. Paulo.

Além da prisão em Atibaia, a operação de hoje inclui mandados de busca e apreensão em outras cidades – todos determinados pelo juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

O processo foi colocado sob sigilo, mas ao menos um mandado de busca e apreensão foi cumprido em uma casa no bairro carioca de Bento Ribeiro, na Zona Norte da capital carioca. A casa é onde morava Alessandra Martins, funcionária de Flávio Bolsonaro desde a época da Alerj.

‘Ministro informal’

Quando os policiais encontraram Queiroz no interior de São Paulo, no começo da manhã desta quinta-feira, Frederick Wassef estava bem longe do interior de São Paulo. O advogado foi filmado por equipes de TV em uma casa suntuosa na QL 20 do Lago Sul, em Brasília, um dos endereços mais caros do país.

Ele foi gravado enquanto falava ao telefone, próximo a uma janela. Segundo pessoas que o conhecem, o advogado fica em sua casa no bairro brasiliense durante a maior parte do tempo, embora tenha feito carreira em São Paulo.

Apesar de não ter qualquer cargo no governo federal, Wassef é um frequentador assíduo do Palácio do Planalto – a última audiência formal dele com o presidente da República, registrada na agenda do mandatário, foi no dia 14 de maio deste ano.

Nesta quarta-feira (17), Wassef estava no Planalto para a solenidade de posse do novo ministro das Comunicações, o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN). Os fotógrafos da Presidência da República registraram a presença dele na “área vip” do evento, ao lado do ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Por causa da proximidade com o presidente da República, Wassef é considerado quase como um “ministro informal” ou “ministro sem pasta” dentro do governo Bolsonaro, segundo assessores próximos do núcleo do poder.

Direito de imagem
Carolina Antunes /PR

Image caption

Wassef estava no Planalto para a solenidade de posse do novo ministro das Comunicações, o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN)

A visão dele foi levada em consideração em algumas das decisões mais importantes do governo nos últimos meses – em abril, ele e os filhos do presidente chancelaram a escolha de André Mendonça para o posto de Ministro da Justiça e Segurança Pública, após a saída do ex-juiz Sergio Moro do posto.

Wassef, no entanto, nega em público que tenha participado dessa ou de outras escolhas.

“O PR escolhe seus ministros sozinho. Esta história, lenda urbana, folclore de que os filhos de Bolsonaro escolhem os ministros não corresponde à história real. Quem toma a decisão é ele, quando forma sua convicção. Não tem isso de os filhos estarem intrometidos no governo”, disse ele, na ocasião.

Católico praticante, Wassef tem visões políticas próximas daquelas dos Bolsonaros. É a favor de mais rigor na intervenção policial, por exemplo, e se considera um inimigo da esquerda política.

Amigo dos Bolsonaros desde 2014

O advogado se tornou amigo do presidente da República e de sua família ainda em 2014, e gosta de dizer que foi a primeira pessoa a dizer a Bolsonaro que ele deveria concorrer à Presidência da República, quando esta ainda era uma possibilidade distante para o então deputado federal.

“Eu não só fui o primeiro a acreditar no Bolsonaro, como fui o primeiro a colocar na cabeça dele a ideia de concorrer à Presidência”, disse ele à colunista Thaís Oyama, do UOL. “Eu tinha acesso à Lava Jato, sabia que iriam ser todos presos. Falei para ele: o senhor vai ficar sozinho e sem concorrência no mercado. Eu previ o futuro”, comenta.

Na época, Frederick Wassef era casado com a empresária Maria Cristina Boner Leo – ela se tornou amiga de Michelle Bolsonaro.

Michelle e o futuro presidente da República passaram a frequentar a casa dos dois. Em 2015, Bolsonaro chegou a comprar um veículo SUV da marca Land Rover de uma das empresas de Cristina, por R$ 50 mil. A transação veio a público em reportagem da revista Veja, no ano passado.

Maria Cristina é ré em um dos processos resultantes da Operação Caixa de Pandora, deflagrada pela Polícia Federal em novembro de 2009, e que resultou na queda do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (2007-2010).

Em janeiro deste ano, o Ministério Público do DF pediu a condenação dela no caso, junto com Arruda e com a do ex-vice-governador Paulo Octávio, entre outras pessoas.

“O conjunto probatório produzido nos autos [depoimentos de Durval Barbosa, laudos periciais de captação ambiental, vídeos, monitoramento de quantias] foi mais que suficiente para comprovar que a ré Maria Cristina Boner Leo ofereceu e efetivamente pagou vantagem indevida aos réus”, disse o MP.

Do caso Adélio à rachadinha

Formalmente, Frederick Wassef assumiu a defesa de Flávio Bolsonaro no caso das “rachadinhas” há um ano – em junho de 2019.

E, já em julho daquele ano, colheu uma vitória ruidosa para o senador: foi do criminalista paulistano o pedido que levou o presidente do STF, o ministro Dias Toffoli, a suspender todos os processos judiciais do país que usavam dados da Receita Federal, do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e do Banco Central sem autorização prévia da Justiça.

A decisão paralisou momentaneamente as investigações do caso das “rachadinhas” – e foi comemorada por Flávio e por Wassef

“A autoridade do Poder Judiciário jamais teve ciência do que estava sendo feito com o Flávio, o que, no caso, foi uma devassa ilegal na sua vida”, disse o advogado ao jornal O Estado de S. Paulo, na ocasião.

“Todo brasileiro tem seu direito sagrado, constitucional, ao sigilo bancário, fiscal, entre outros. Então, se qualquer pessoa quiser investigar qualquer brasileiro, inclusive o filho do presidente da República, é necessário cumprir a lei”, disse.

Direito de imagem
SERGIO LIMA/AFP

Image caption

Advogado de Flávio nas investigações sobre o esquema das “rachadinhas”, Wassef também já defendeu o próprio Jair Bolsonaro

Além do caso Queiroz, Wassef também defendeu o próprio Jair Bolsonaro em outras ocasiões.

Ele representa o presidente nas investigações envolvendo o atentado contra a vida de Bolsonaro em 2018, por parte de Adélio Bispo, por exemplo. Sobre este episódio, Wassef costuma dizer que é impossível que Adélio tenha agido sozinho – apesar de esta conclusão ter sido reiterada pela Polícia Federal em dois inquéritos diferentes.

O último desses inquéritos foi arquivado nesta terça-feira (16), pelo juiz Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG).

No STF, Wassef também representou Bolsonaro no caso envolvendo a deputada Maria do Rosário – em 2014, o então deputado federal disse que a congressista gaúcha “não merecia ser estuprada” por ser “muito feia”. Bolsonaro acabou perdendo a ação. Em fevereiro de 2019, o STF rejeitou mais um recurso dele e o obrigou a pagar indenização de R$ 10 mil à petista, por danos morais.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *