Trabalhos parlamentares

O Banco de Portugal não conseguiu, durante quase três anos, entregar a notificação de várias contra-ordenações ao ex-presidente do Montepio, Tomás Correia, e acabou por ter de fazer as acusações em edital publicado esta semana na imprensa.

A aventura consiste em recomeçar sempre de novo, sem nunca olhar para trás.

“Em democracia, os políticos não mudam de povo. Mas o povo muda de políticos. Não têm notado o que se passa na Europa, no Brasil e nos Estados Unidos?”

Em nome do ambiente, Medina anunciou a proibição de circulação de automóveis na Baixa lisboeta * por falar em ambiente, o ecossistema de 200 mil aves que vivem no estuário do Tejo vai ser profundamente afectado pelo aeroporto do Montijo * ainda sobre ambiente, a poluição provocada por navios é equivalente à causada pelos automóveis nas oito cidades portuguesas com mais carros * na costa portuguesa, as emissões dos navios de cruzeiro foram 86 vezes superiores às dos carros que circularam pelas estradas nacionais e Lisboa é a sexta cidade europeia mais poluída por paquetes turísticos * em 2018, Portugal só reciclou 12% do plástico que consumiu * em 2018, Portugal recebeu 330 mil toneladas de resíduos perigosos * Azeredo Lopes admitiu em tribunal ter desvalorizado informações relevantes sobre o roubo de armas em Tancos * em 2019, a Polícia Judiciária fez 50 apreensões de obras de arte falsas de artistas portugueses * 944 pessoas foram detidas em 2019 por violência doméstica * a dívida pública portuguesa voltou a aumentar em 2019, situando-se agora perto dos 250 mil milhões de euros * a procuradora-geral da República avisou que o seu novo departamento, que visa proteger consumidores, a saúde pública, o ambiente, o património cultural e o ordenamento do território, nasceu com falta de meios humanos a proposta de acabar com as isenções fiscais dos partidos políticos, apresentada pela Iniciativa Liberal, foi chumbada pelo PS, PSD e PCP.

O MISTÉRIO DO BARCO VAZIO 

A cidade de Lisboa é o ponto de partida de uma das mais brilhantes histórias de mistério que li nos últimos tempos. Em boa verdade, eu é que andei distraído – a primeira edição portuguesa data de 2016 e teve então o título de “O Silêncio do Mar”. Este livro, da islandesa Yrsa Sigurdardóttir, uma das grandes escritoras policiais contemporâneas, foi agora reeditado com o título “Lisboa Reykjavik”, numa tradução de Miguel Freitas da Costa. A história é um autêntico mistério – um iate de luxo que havia zarpado de Lisboa com tripulação e uma família como passageira chega a Reykjavík sem ninguém a bordo. Tudo se passa no período da grave crise financeira que atingiu a Islândia – o barco pertencia a um milionário cujas empresas faliram e os seus bens foram arrestados pelos credores. O iate estava a ser levado de volta à Islândia por ordem de um banco quando, de repente, os ocupantes desapareceram. O livro tem uma escrita sempre em dois planos temporais: o relato da viagem e o relato das investigações que se sucederam ao desaparecimento das pessoas que seguiam no barco. Cada capítulo alterna a narrativa, num ritmo envolvente. A autora, Yrsa Sigurdardóttir, vive com a família em Reykjavík, é diretora de uma das maiores empresas de engenharia da Islândia e tem já uma extensa obra publicada, na qual a luta entre o bem e o mal é uma peça central e em que os conflitos da sociedade e os ódios que geram são uma constante.   

GRAVURAS E CERÂMICAS

Nos últimos tempos, têm-se realizado diversas exposições que procuram proporcionar o acesso alargado a obras de artistas que não estamos habituados a ver expostos em Portugal. Algumas dessas exposições são organizadas por entidades privadas, cuja actividade é promover mostras alargadas que circulam em diversos países, como aconteceu recentemente com as exposições de Escher e de Henri Cartier-Bresson, realizadas em Lisboa e no Porto. Por outro lado, entidades ligadas a autarquias, como o Centro Cultural de Cascais ou o Palácio Anjos, em Algés, entraram no roteiro de circulação de exposições internacionais com acesso gratuito. Em Cascais, por exemplo, realizaram-se mostras de fotografias de Norman Parkinson e de Herb Ritts, nunca antes exibidas em Portugal. E, agora, no Palácio Anjos, o Município de Oeiras promoveu a exposição “Picasso, Mestre Universal”, que inclui 66 obras de pintura, cerâmica e litografias provenientes de colecções particulares. A exposição, que é de entrada gratuita e estará patente até 30 de Abril, mostra peças como a primeira série gráfica de Picasso, a “Suite dos Saltimbancos”, iniciada em 1904, até um exemplar da sua última produção em cerâmica, de Março de 1971, finalizada dois meses antes da morte do artista – a cerâmica foi, aliás, o suporte mais trabalhado por Picasso nos seus últimos anos de vida. Outra das obras é a série de litografias “Suite Sable Mouvant”, de que aqui se reproduz uma das imagens. Outra sugestão: a série de fotografias “Trinus”, de Cláudio Garrudo, o resultado de uma experiência de viagem a bordo de um navio cargueiro, volta ser exibida, com imagens inéditas, na Casa da América Latina (Avenida da Índia 110), até 27 de Fevereiro, por ocasião dos 500 anos da viagem de Fernão de Magalhães.

CANÇÕES DA BALEIA BRANCA

Jaime Fernandes, um amigo que já partiu, e que foi um dos grandes homens da rádio e da televisão em Portugal, ensinou-me a descobrir e a gostar da música country, numa época em que muitos desconsideravam esse género musical. Nos seus programas de rádio dedicados à country e em numerosas conversas, o Jaime foi alargando os meus conhecimentos sobre a matéria. Lembro-me do dia em que me falou de Terry Allen e de um dos seus primeiros trabalhos, o magnífico  “Lubbock (On Everything)”. Ao longo da sua carreira, Allen já gravou mais de uma dezena de discos de originais, três deles neste século. “Just Like Moby Dick” é o mais recente e acabou de sair (está disponível no Spotify). O álbum foi gravado em Austin com um grupo de músicos bem conhecidos da área da country e com produção de Charlie Sexton, ele próprio uma lenda musical. A voz grave e quente de Terry Allen percorre histórias por vezes fantásticas, frequentemente irónicas, numa sucessão de episódios que só acidentalmente evocam o Moby Dick de Melville com um fino humor. Allen, que é também um artista plástico reconhecido, fez incluir, nos vários formatos da edição, desenhos que fez a propósito das suas canções e das personagens que as habitam. Uma das novidades do disco é a voz de Shannon McNally, sempre presente, e que além de cantar com Allen faz um dueto fantástico com Sexton. A qualidade de Shannon é bem comprovada no tema em que a sua voz mais se destaca, “All These Blues Go Walkin’By”. Outra novidade é o facto de cinco das canções serem compostas em co-autoria com vários músicos da Panhandle Mystery Band, que o acompanham ao longo dos 12 temas. Este Moby Dick é um encanto. Já há quem diga que é o melhor trabalho de sempre de Terry Allen.

MASSA MUITO CASEIRA

Um dos mais interessantes restaurantes italianos de Lisboa, o Ruvida, comemorou agora um ano de vida. Tem uma esplanada acolhedora e uma sala que tem o benefício de lá se poder seguir o processo de preparação da massa artesanal utilizada no restaurante. Há um menu de almoço a 16 euros que muda todos os dias e uma lista com propostas bem variadas, incluindo uma secção dedicada a pratos confeccionados com produtos da estação. E é essa a que prefiro. Mas comecemos pelas entradas, em que destaco a mousse de mortadela, ricotta de ovelha, parmesão e pistácio. No Ruvida, tudo é feito à mão, sem usar máquinas, e o único utensílio utilizado para estender a massa é o tradicional rolo de madeira. Nesta altura do ano, na secção “le proposte del momento,” surgem três pratos de pasta de diferentes formatos: passatelli in brodo (massa feita com parmesão, pão ralado e ovos) cozinhada num caldo de vaca e frango capão; outra possibilidade é triangoli di patate su veluttata di funghi di stagione – aqui, os triângulos de massa são recheados de batata e azeite aromatizado com louro, sobre um creme aveludado de cogumelos; e, por fim, a minha escolha foi gargati ricchi al consiero, uma receita do Norte de Itália, da região de Vincenza, que leva uma pasta em forma de macarrões, mas mais curtos, finos e quase maciços. Agarram muito bem o sabor de quatro carnes diferentes, salteadas em banha, e cozinhadas com ervilhas tortas, brócolos e abundante salsa picada. O Ruvida fica na Praça da Armada 17 e tem o telefone 213 950 977.

O autor escreve com a antiga ortografia

www.facebook.com/mfalcao

twitter: @mfalcao

instagram: mfalcao

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *