Valter Hugo Mãe faz palestra e participa da Fliaraxá para ressaltar o valor da liberdade

Um dos mais amados escritores em língua portugueses da atualidade, Valter Hugo Mãe participa de uma tour brasileira para lançar três livros novos, editados pela Biblioteca Azul: As Mais Belas Coisas do Mundo, Contos de Cães e Maus Lobos e O Nosso Reino. Depois de passar pelo Rio, ele chega a São Paulo hoje e, em seguida, segue para o interior de Minas, como convidado da Fliaraxá.

LEIA TAMBÉM >Valter Hugo Mãe ambienta novo romance no Japão para tratar de relacionamentos

Voz tranquila, prosa bem cuidada, olhar acolhedor e, principalmente, uma literatura contundente tornam Mãe (angolano radicado em Portugal) em um homem encantador. Por e-mail, ele respondeu às questões.

Você vai falar sobre literatura portuguesa contemporânea, o que nos leva a Agustina Bessa-Luís, que morreu recentemente. Agustina é uma das principais escritoras portuguesas de sempre. A par de Maria Gabriela Llansol e Maria Velho da Costa, ela compõe a grande trindade do século 20 e destaca-se por sua inteligência austera e aristocrata, por ser uma conservadora feroz, ácida, que retrata as pessoas e o país sem pingo de piedade. Julgo que nos deixa um testemunho do quanto a Literatura é meditação espontânea, um debate sem limites acerca do que são emoções. Atravessar os seus livros é passar por uma radiografia do inquinado da humanidade. Do quanto sonhamos e falhamos. Há gênios de outro modo, outras razões, mas ela via tudo por um prisma desolador e acusador. Sua pulsão, as mais das vezes, era para expor o ridículo.

Você revela um cuidado com a estética dos livros. Como explica o fascínio pelas artes plásticas?

O que distingue as artes em mim é a habilidade para me dedicar a umas e outras não. No plano íntimo, da apreciação, ou pressentimento de que algo se pode revelar, não sou diviso e não há divisão nas expressões. Quero dizer, se fosse feliz, saberia pintura e desenho, saberia música e fotografia, saberia literatura, poesia, dramaturgia, até culinária. Meu fascínio é, como dizia, por esse pressentimento de que existe algo conservado enquanto certo mistério e que saberemos apenas através da intuição da arte. A arte existe para que nos auscultemos onde disciplina alguma tem ciência para auscultar. Toda a arte. Meu fascínio vem dessa constatação.

O Nosso Reino ganha nova edição. Qual o desafio de ver o autoritarismo filtrado pela perspectiva infantil?

Foi minha experiência. Nasci na ditadura, cresci em democracia. No entanto, passei a infância vendo como as ideias totalitárias resistiam, indo embora lenta e grotescamente. Não tolero qualquer ditadura, à esquerda ou à direita. A vocação da humanidade é a da liberdade. As pessoas que anseiam por dominar ou ser dominadas, no que à política diz respeito, vivem uma incapacidade de se completarem pelo conhecimento e pela imaginação. No meu livro, que é uma ficção, crio uma memória cândida de como foi fugir das várias opressões vigentes em Portugal, uma política e outra moral. Infelizmente, voltamos a urgir neste combate. O mundo abeira-se demencialmente das piores ideias. O coletivo aprende muito pouco. Levaremos milênios a depurar, isto se não destruirmos o planeta antes.

Seus livros têm a qualidade de expor as nossas falhas por meio de seus personagens. Você acredita ter alguma responsabilidade, como artista, para fazer isso?

Acredito ter responsabilidade enquanto cidadão, e o cidadão que sou não se ausenta dos meus livros, embora não esteja obrigado a comparecer. Não poderia descurar a utilidade que um livro pode ter. Odiaria dedicar a minha vida a algo inútil. Ainda que não queira instrumentalizar o que escrevo a uma causa específica, até porque a humanidade se define por muito paradoxo e incoerência, e eu quero estar livre para pensar de outro modo em qualquer altura, a verdade é que os meus livros acontecem sempre com gana de protesto, incomodados e numa folia por meditar. Meditando, talvez possa decidir melhor acerca de uma qualquer questão.

Aliás, qual seria a função da arte: nos tornar pessoas melhores, nos dar instrução moral, trabalhar para o bem social ou apenas existir para nosso prazer?

Não é exatamente na moral que encontro justificação para a arte. É na solicitação de cidadania. Para mim, a arte é uma intensificação da pessoa tendente a perturbar e exigir opinião. Lidar com a arte é permanentemente fazer uma escolha. Isso é educação para a cidadania.

VALTER HUGO MÃE. Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. R. Dr. Plínio Barreto, 285, 4º. Tel.: 3254-5600. 6ª (14/6), 19h30. Grátis, mediante inscrição Angariar informação, meditar, votar. Escolher melhor, ser responsável. 

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *