XIV – A nostalgia do ruído

Há um silêncio na cidade que não pertence ao lugar, uma estranha ausência. Quase consigo ouvir os 30 decibéis de uma folha a cair, o que me trouxe da Lua Cheia de ontem, não o Mar da Tranquilidade, mas uma intranquilidade decorrente da minha incapacidade de ler um mapa talvez futuro de orientação através do silêncio urbano.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *