Publicidade

Apesar de a população feminina alcançar os 52,2% do total de brasileiros, há pouco mais de 15% de mulheres na Câmara Federal e de 12% no Senado. Em nível de municipais, a presença é menor ainda. Em 2019, 900 municípios, não contavam com mulheres no cenário político. No ranking mundial, o Brasil está atrás, até do Afeganistão, que, conforme pesquisa do Observatório da Imprensa, tem 27% de mulheres no Parlamento. Nossa nação ocupa a 142ª posição, dos 192 países pesquisados em 2021, pela União Interparlamentar.

Desde o Decreto 21.076/32 de Getúlio Vargas, de 24 de fevereiro de 1932, quando permitiu que a mulher votasse e recebesse votos, há 90 anos, a representatividade feminina está bem distante do que seria justo. Após o sufrágio feminino ser estabelecido com algumas restrições, apenas em 1995, de autoria de Marta Suplicy, a Lei 9.100/95 foi aprovada e previa o mínimo de 20% de nomes femininos na lista de candidatos de cada partido ou coligação. Após a Lei de Cotas, como fora chamada essa lei, ampliou-se a obrigatoriedade do percentual da participação das mulheres na Lei da Eleições (Lei 9504/97). Entretanto, haviam brechas nessa lei e o percentual não era alcançado.        Apesar de todas as ‘garantias’ com o propósito de ampliação da participação feminina, somente em 2009, com a aprovação da Lei 12.034/09, pelo Congresso, estabeleceu-se o percentual dos 30% que conhecemos hoje.

Além da baixa participação da mulher no cenário político, apesar da lei, ainda observamos a desvantagem que o gênero enfrenta quando do processo eleitoral dominado por homens que em muitos os casos ainda veem as mulheres sem condições de igualdade. A mulher está presente em todos os cenários importantes na história nacional e, além: mundial! Não há lugar de destaque no mundo em que não se perceba a presença forte da figura feminina. Mais que leis, urde a necessidade da sensibilização da mulher a fim de que compreenda que, apesar de poder contar com o apoio masculino, há temas impossíveis de serem tratados sem a visão feminina de mundo. Longe de demonizar a tutela masculina, mas, buscando a responsabilidade sobre nossas próprias subjetividades e especificidades, nós, mulheres podemos contribuir generosamente, como é próprio da mulher, para o crescimento do país e a diminuição das mazelas que oprimem o povo brasileiro.

Que a presença da mulher cresça e apareça na Política! Que sejamos protagonistas na construção das nossas histórias não somente dentro de nossas casas, empresas e trabalhos autônomos, mas no lugar de fala em que nos for possível! É preciso mais do que nunca romper paradigmas e nos encorajarmos! Que a vontade feminina de transformar o que é disforme em Belo e Justo, marque profundamente as sedes dos poderes desta nação!

Draª MARA Araújo

Advogada, professora e palestrante em temas Constitucionais.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.