Publicidade

A partir de 1º de abril, a artista visual, figurinista, arte educadora e curadora independente Natália Marques Emaye iniciou dois projetos: “A rota do Podão de Ouro” residência e pesquisa artística, e “Melaço” instalação que vai circular por oito cidades. Os trabalhos da artista pretendem discutir questões relacionadas à realidade das cidadãs e dos cidadãos nas plantações canavieiras do país. sobre “Podão de Ouro’

“Escolhemos esse nome, pois o projeto irá começar na cidade de Pontal (SP), uma das principais regiões que se destacaram no plantio de cana-de-açúcar, sendo “Podão”, apelido de facão, e “Podão de Ouro”, expressão usada para  descrever a pessoa que mais cortava cana”, explica Natália.

Uma das discussões que também será um ponto no projeto, terá como ponto de partida as vestimentas/trajes usadas pelas mulheres trabalhadoras do canavial, combinadas a características de tradição de matriz africana que é uma fonte de estudo da artista.

“A proposta da pesquisa se estrutura a partir de três pilares: Corpo, o Melaço e a Lâmina, e utiliza tanto aspectos da cultura da cana e do universo de luta e resistência dos povos africanos, exaltando o protagonismo das verdadeiras rainhas do açúcar, mulheres que foram e são referências no interior de São Paulo”, detalha a artista. A residência artística acontecerá no Museu da Cana – Instituto Engenho Central, localizado na  Fazenda Engenho Central, 1 Zona Rural, Pontal, até o dia 30 de abril.

Circulação

Os projetos  “A rota do Podão de Ouro” e Melaço” foram  contemplados nos editais Proac Lab Prêmio e Proac Artes visuais Circulação 2021, e contam com a realização do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Natália Marques Emaye é natural de São Joaquim da Barra e tem uma pesquisa centrada na relação entre a população negra do interior paulista e a indústria da cana-de-açúcar (importante atividade econômica na região desde o final do séc XI), as ferramentas utilizadas e as vestimentas ligadas a essa produção econômica, especialmente na intersecção destes elementos com a experiência da mulher negra.

A circulação da exposição/instalação “Melaço” acontecerá de 01/05 até 02/10, e passará por oito cidades, sendo elas: Pontal , Sertãozinho, Ribeirão Preto, Jaboticabal, São Joaquim da Barra, Ituverava, Pradópolis e Guariba, que terá início no dia 01/05 em Pontal.

“Nesta etapa do projeto ficaremos por um mês em cada uma das cidades, onde em cada uma delas realizaremos uma performance cênica, um bate papo e uma oficina com crianças dos locais”, diz Natália.

Read More

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.