Publicidade

Você está na Edição Brasil. Para acessar edições de outras regiões, clique aqui.
Philippe Coutinho será uma das armas do Aston Villa neste sábado, às 12h (de Brasília), contra o Brighton, em partida que terá transmissão ao vivo e exclusiva para assinantes Star+. Em entrevista exclusiva à ESPN, o brasileiro abriu jogo sobre seu atual momento na Premier League, a seleção brasileira e sua troca do Liverpool pelo Barcelona.
Feliz com o retorno à Inglaterra, o meia-atacante falou também da importância do reencontro com Steven Gerrard, que foi seu companheiro em Anfield Road e agora é seu técnico.
Além de todo o conteúdo ESPN, com o Combo+ você tem acesso ao melhor do entretenimento de Star+ e às franquias mais amadas de Disney+. Assine já!
Veja, na íntegra, a entrevista com Coutinho:
Estou muito feliz. Era uma vontade minha, voltar a jogar aqui na Inglaterra e jogar na Premier League mais uma vez. Estou tendo essa oportunidade e estou muito feliz.
É o que eu espero. Trabalho duro todos os dias para jogar bem e dar bons resultados para o clube que defendo. Claro, tinha muita vontade de voltar para a Premier League, estou em um grande clube que me faz muito feliz. Todos os jogadores dando o seu melhor para que a gente consiga alcançar nossos objetivos como equipe. Eu trabalho sempre para que as coisas deem certo. O que mais quero é estar bem pela equipe que eu estiver defendendo. Às vezes isso não acontece e não há como explicar.
Não. Em certos momentos temos que tomar decisões, e um dos meus grandes sonhos era jogar pelo Barcelona, e naquele momento decidi em tomar essa decisão, mas sempre com muito carinho, respeito e gratidão pelo Liverpool e pelas amizades ao longo dos anos que estive no clube. Mas naquele momento eu tinha uma decisão para tomar e não me arrependo.
Sempre o admirei muito. Para mim, foi uma honra ter jogado com ele. Agora tê-lo como treinador, com a experiência que ele passa, os treinos têm sido fortes e exigentes. Ele tem grandes ambições, estou feliz de estar aqui e espero responder à altura do que ele espera ajudando nossa equipe a alcançar nossos objetivos. Para mim, foi uma honra participar da carreira dele como jogador, e agora, como treinador, me sinto ainda mais honrado.
Sempre tive essa relação de admiração e respeito. Eu queria ter essa oportunidade de trabalhar com ele de novo. Ele é um cara muito aberto a todos os jogadores e tem muita influência no grupo.
Acho que todo mundo gosta de ser bem tratado, estar em um lugar onde se sinta apreciado. Onde possam estar te ajudando, querem que as coisas funcionem. Acredito que você deva pensar o mesmo no seu trabalho. É como eu disse, seja qualquer o time que eu estiver defendendo eu vou dar sempre meu máximo, mas você estar num lugar onde se sente querido você vai conseguir dar o seu melhor.
Realmente os últimos resultados não foram positivos, não era o que a gente queria. Acho que as derrotas aconteceram em pequenos detalhes onde podemos corrigir e fazer melhor nos próximos jogos. Todos estamos cientes disso. O bom do futebol é isso: quando chegar o sábado todos nós vamos ter uma nova oportunidade de fazer melhor e isso é algo que temos conversado muito. Quando chegar o sábado queremos aproveitar essa oportunidade de começar a reverter essa situação.
Não me surpreendi. Minha história não “começou ontem” na seleção, já tem bastante tempo que faço parte do grupo. Claro, fiquei sem ir por estar com uma lesão grave que me deixou muito tempo sem jogar, mas me recuperei. Claro, sou grato ao treinador e a comissão por todo o apoio nesse momento que passei lesionado e por terem confiado em mim. Me sinto parte e trabalho todo dia para ser convocado.
Isso me motiva, me dá muita alegria estar na seleção e fazer parte desse grupo. Para mim, foi muito importante para me dar confiança – ter voltado para a seleção, marcar gols. Sou muito grato, mas não fiquei surpreso pois trabalho para isso. Já tenho um pouco de história na seleção.
Disputar uma Copa do Mundo é sempre um sonho. Não ganhamos naquela oportunidade (em 2018) mesmo com um bom time, infelizmente. Com certeza tenho o desejo de jogar, disputar e ser campeão do mundo. É meu objetivo e o objetivo da seleção. Estamos no final da preparação, cada dia mais próximos da Copa do Mundo. Muita coisa pode acontecer até lá, mas estarei me esforçando ao máximo para continuar defendendo meu país.
(Estará na Copa?) Isso não sei te dizer, essa é uma pergunta para o treinador. Eu me sinto muito confortável na seleção, já tenho sido convocado há alguns anos. No Brasil, sempre vão surgir novos jogadores e atletas de ponta. Muita coisa acontece até a última convocação, mas meu objetivo é estar lá. Ter um bom ano no meu clube e disputar a Copa do Mundo.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.