Publicidade

O investimento em tecnologias de segurança ganhou novo impulso com a escalada da invasão russa em território ucraniano. Drones autônomos para vigilância, avanço em software de reconhecimento de imagem ou processamento de dados via satélite em tempo real são algumas das técnicas recebendo maior investimento em grandes potências, com a justificativa de sofisticar os protocolos de defesa e segurança nacional.
A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), no final da semana passada, anunciou a aprovação do aporte de 1 bilhão de euros para investimento em startups de estágio inicial e outros fundos de capital de risco, tendo a perspectiva de desenvolver tecnologias “prioritárias” às 22 nações, seja no campo da inteligência artificial, processamento de dados em grande volume e tecnologia quântica. “O Fundo de Inovação da OTAN (como foi chamado) ajudará a dar vida às tecnologias nascentes que têm o poder de transformar nossa segurança nas próximas décadas, reforçando-a para um bilhão de cidadãos”, mencionou o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg. 
O investimento terá validade de 15 anos e complementa outro anúncio da organização de aliança militar: o Acelerador de Inovação em Defesa para o Atlântico Norte (DIANA, no original), em processo para firmar parceria com o setor privado e universidades no tema da tecnologia de segurança.
O movimento da OTAN segue outros precedentes, incluindo o investimento da União Europeia em 1 bilhão de euros no Fundo Europeu de Defesa, especificamente para o desenvolvimento de “novas ferramentas para inovação” em segurança, ou a mobilização individual de grandes potências. Citando diretamente a guerra na Ucrânia  e “ameaças híbridas e subliminares”, o governo do Reino Unido anunciou, em meados de junho, uma nova política de defesa nacional, ancorada em estratégias de inteligência artificial.
O Departamento de Defesa dos EUA, por sua vez, vem estabelecendo contratos com startups de tecnologia de segurança, desde o período pré-guerra. Em janeiro, a Anduril, que desenvolve sistemas de defesa autônomos, ficou responsável pelo desenvolvimento de drones do Comando de Operações Especiais dos EUA. A startup, inclusive, virou unicórnio no contexto de guerra. No âmbito do programa chamado de Comando e Controle Conjunto de Todos os Domínios, ou JADC2, outras empresas tech, como Palantir e C3 AI ganharam espaço em investimentos. Na semana passada, a Força Aérea dos Estados Unidos anunciou um contrato de 950 milhões de dólares com 27 empresas para trabalhar com pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de segurança. A tendência de novos contratos militares lucrativos, com foco em tecnologia, aumenta. 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
Leia também no GoRead
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.
Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo
– R$ 1 por mês.

– Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

– Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

– Válido até 31/10/2022, sem renovação.
3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )
Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.