Publicidade

Esse foi o oitavo título verde e amarelo em nove edições do torneio. A decisão foi disputada no Estádio Alfonso López, em Bucaramanga, na Colômbia.

O gol da final foi marcado pela meia-atacante Debinha, de pênalti, aos 38 minutos do primeiro tempo. A infração foi marcada depois de jogada individual da própria Debinha, que atua como avante do North Carolina Courage. Aos 30 anos, a mineira é a artilheira da era Pia Sundhage (treinadora sueca que assumiu a seleção brasileira feminina em 2019) e ultrapassou a marca de 50 gols com a camisa verde e amarela. Ela também assumiu o protagonismo quando necessário e liderou o time até o título, que foi o primeiro sob o comando da técnica sueca. 

Além das vagas para a Copa do Mundo de 2023 e para as Olimpíadas de 2024, a conquista marcou o sucesso de uma nova geração do futebol feminino nacional. Pela primeira vez desde 1995, o Brasil não contou, em uma competição internacional, com pelo menos uma das estrelas do trio Cristiane, Formiga e Marta. As duas primeiras se aposentaram e a camisa 10 está se recuperando de uma cirurgia no joelho.

Dessa forma, foram vários nomes que aproveitaram o torneio para ganhar espaço. Entre outras, no meio de campo, Duda Santos e Angelina tiveram destaque. A atacante Adriana, vice-artilheira da Copa com cinco gols, apesar de estar na equipe principal desde 2017, conseguiu ter uma boa participação pela primeira vez com a camisa verde e amarela já que sofreu muito com lesões durante a Copa do Mundo de 2019 e nas Olimpíadas de 2020.

Vale destacar a participação do setor defensivo. Nos seis jogos, o Brasil não sofreu nenhum gol. As atuações da goleira Lorena e das zagueiras Rafaelle e Tamires foram bastante seguras. Mas a técnica Pia Sundhage sabe que o time tem bastante a melhorar, principalmente quando enfrentar adversários de um maior nível.

“A final não foi tão bonita. Fomos eficientes para manter a vantagem quando a Colômbia estava criando chances. Foi importante não sofrer gols durante o torneio. Mas, falando da parte tática, sabemos que temos que melhorar. Algumas vezes, as jogadoras vêm do banco e mudam a partida. Mas, outras vezes, isso acaba não acontecendo. Vamos trabalhar para melhorar”, disse a europeia em entrevista coletiva.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.