Publicidade

Hiire Sadiki foi envenenado pela esposa por se converter ao cristianismo

Uma mulher muçulmana no leste de Uganda adicionou veneno à comida de seu marido, um ex-professor islâmico que se converteu ao cristianismo cerca de uma semana antes, depois de notá-lo orando em nome de Cristo, segundo um relatório.

Hiire Sadiki, 56, que depositou sua fé em Cristo em 27 de março, está se recuperando em um hospital no distrito de Butaleja, informou o Morning Star News.

Sadiki, que é de Masjidi Uthuman na vila de Nawanjofu, foi envenenado em 2 de abril, pois se recusou a observar os rituais islâmicos do Ramadã e sua esposa o notou orando em nome de Cristo.

“Ela me questionou por causa do modo de minha oração. Eu disse a ela que tinha acreditado em Issa [Jesus]”, disse a vítima de sua cama de hospital.

Ele disse que colocou sua fé em Cristo depois de vários meses de discussões com um pastor cristão.

Seu pastor, que o levou a um hospital, disse que Sadiki sofreu convulsões e vômitos depois de comer. “Quando chegamos ao hospital, seu estado piorou. Ele começou a ter diarréia com sangue, náuseas, vômitos e fortes dores abdominais.”

O pastor acrescentou que ligou para sua esposa. “Quando comecei a perguntar sobre o xeque e me apresentar, ela ficou muito irritada e começou a me insultar por converter seu marido. Ela disse que não queria ser identificada com ele porque ele se tornou um infiel, e que ela o estava deixando e voltando para seu povo, que seu marido merecia a morte por abandonar o Islã e que ela não queria se relacionar com um infiel”.

A esposa de Sadiki deixou a cidade com seus três filhos, de 16, 10 e 6 anos, disse o pastor.

Embora a maioria das pessoas em Uganda seja cristã, algumas regiões do país têm maiores concentrações de muçulmanos.

O Pew-Templeton Global Religious Futures Project estima que cerca de 11,5% da população de Uganda é muçulmana, principalmente sunita. Ataques armados e assassinatos de convertidos não são incomuns na região.

No início do mês de janeiro, uma mãe e seus dois filhos de 3 e 8 anos, foram enforcados após aceitarem Jesus.

“A influência do islamismo radical tem crescido de forma constante, e muitos cristãos nas regiões fronteiriças de maioria muçulmana estão enfrentando severa perseguição, especialmente aqueles que se convertem do islamismo”, observa uma ficha informativa da Voz dos Mártires.

“Apesar dos riscos, as igrejas evangélicas em Uganda responderam alcançando seus vizinhos; muitas igrejas estão treinando líderes para compartilhar o Evangelho com os muçulmanos e cuidar daqueles que são perseguidos depois de se tornarem cristãos”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post e Morning Star News

Read More

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.