Publicidade

O Alto Douro Vinhateiro (ADV) foi classificado Património Mundial da Humanidade a 14 de dezembro de 2001. Duas décadas depois as opiniões de quem vive no território não são unânimes sobre o ADV.
Junto ao miradouro de São Leonardo da Galafura, sobre o rio Douro, foi construído há cerca de 30 anos o restaurante São Leonardo.
“Desde a classificação é muita a diferença. Há muitas mais pessoas a passear por aqui, antigamente não era assim”, afirmou à agência Lusa Dulce Lebres, de 45 anos. É filha dos proprietários e começou a trabalhar aos 14 anos no restaurante do concelho do Peso da Régua, distrito de Vila Real.
O miradouro de onde se observa a “beleza absoluta” que inspirou Miguel Torga é um ponto de passagem quase obrigatório no Douro e do restaurante Dulce Lebres, que foi vendo os turistas chegar.
“Com a covid-19 diminuiu um pouco, mas vem muita gente de todo o lado. Muitos estrangeiros, temos agências que só trazem mesmo estrangeiros”, salientou.
À paisagem sobre o rio, as vinhas e os socalcos aliam-se os pratos tradicionais servidos no restaurante.
“Na altura era quase só aos fins de semana, durante a semana não havia quase ninguém. Não tem nada a ver com o que é agora. Durante a semana estávamos aqui duas pessoas. Agora somos quatro, cinco, todos os dias”, contou Dulce Lebres.
Há 27 anos que Sónia Tavares, 43 anos, vende os tradicionais rebuçados da Régua junto à estação do caminho de ferro.
À Lusa disse que aos poucos foi vendo mais turistas chegar ao Património Mundial, de comboio, barco ou autocarro. “Realmente estava a vir mais pessoal”, salientou a rebuçadeira, que lamentou a pandemia que veio atrapalhar o negócio.
Também no largo da estação está Cesário Rodrigues, de 71 anos e taxista há 47 anos. Questionado se a classificação pela UNESCO trouxe mais clientes respondeu que “nem por isso” e que os “turistas que chegam de comboio pouco usam o táxi”.
“Eu ganhei mais dinheiro há 20 anos do que ganho hoje”, salientou.
Pela Estrada Nacional (EN) 222 que corre ao longo do rio e foi considerada uma das estradas mais bonitas do mundo viaja-se da Régua para o Pinhão (Alijó).
Para Gisela Carvalho, 41 anos, este foi mais um motivo de atração ao território a juntar à paisagem, às quintas, às vinhas em socalcos e aos vinhos.
É proprietária do restaurante Veladouro, aberto há 11 anos no cais fluvial do Pinhão, e referiu que, apesar do início difícil devido à crise que então Portugal atravessava, aos poucos começou a “notar uma evolução positiva”.
Também a sazonalidade, segundo a empresária, se começou a esbater.
“Mesmo assim, dentro de todas as dificuldades, fechos, estados de calamidade e de isso tudo, continuamos a ter clientes e cada vez mais a afluência no Douro aumenta”, frisou.
Um pouco ao lado, a Quinta do Noval abriu uma loja de vinhos há dois anos. “Penso que é uma aposta muito ganha, muito válida”, referiu Paula Silva.
A responsável pela loja acredita que o ADV é “um incentivo” para os turistas virem ao território e referiu que, apesar do ‘timing’ que coincidiu com a pandemia, a “resposta foi muito agradável”.
Milene Craveiro, guia da empresa CMTour, deixou um grupo de 20 turistas estrangeiros provenientes dos Estados Unidos da América, Israel, Noruega e Inglaterra num barco para um passeio de uma hora pelo rio. “Este ano correu surpreendentemente bem”, salientou.
Milene disse que ainda há turistas a chegar ao Douro sem saber que é Património Mundial da Humanidade.
Junto ao rio um grupo de reformados conversa. As preocupações estão voltadas para a raspadinha que compraram e o ADV não parece ser tema de grande interesse.
António Silva, 82 anos e carteiro reformado, é mais crítico e disse que “não notou diferença nenhuma” nestes anos de classificação. “O Pinhão não progrediu coisa nenhuma, está estagnado e até em algumas coisas está pior. Perdeu serviços como os correios, que agora têm um posto na junta. Não temos um sapateiro, um alfaiate, uma padaria. Então, na minha opinião foi para pior” salientou.
Mais, acrescentou, para construir uma casa é “agora um problema dos diachos”. Há, reconheceu, mais gente no território, mas os “turistas não deixam cá nada”.
Laurindo Silva, 81 anos e antigo camonianista, disse que o Pinhão era “quase uma quinta” e nestes 20 anos “tem progredido”. “Tem nome de vila e já parece uma vila”, frisou.
Na sua opinião, o “turismo é a coisa principal deste lugar”. “Aqui sem turismo não é nada. Vê-se hoje, parece que não mora cá ninguém, se cá vier a partir de março, abril pronto, já não se pode andar aqui”, referiu.
Numa aldeia de Vila Real, o viticultor Henrique Silva, 55 anos, disse que aqui “nem se dá” pela classificação. “Para nós não melhorou nada, ainda piorou. Tínhamos mais rendimento primeiro do que agora. Não é com o dinheiro da vinha que dá para viver”, afirmou à Lusa.
João Rebelo, investigador do departamento de Economia, Sociologia e Gestão da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), afirmou à agência Lusa que o “primeiro grande desafio” do Douro passa pela “criação e distribuição de valor”, e que isso implica vender os vinhos a um “preço muito superior” ao que vende atualmente, e “políticas redistributivas pela cadeia do valor”.
A criação e distribuição de valor acrescentado é a “questão-chave” para, na sua opinião, evitar o desaparecimento de pequenos, mas principalmente médios produtores.
Para o investigador, outro “vetor importante” passa por “políticas demográficas que retenham população em idade ativa”, designadamente “uma política concertada de imigração”.
“A demografia é um problema complicado porque, de facto, o custo da mão de obra tem um cada vez maior peso nos custos de produção e com as últimas subidas dificilmente as explorações são rentáveis”, frisou.
A produtora de vinho Laura Regueiro, da Quinta da Casa Amarela, apontou também uma preocupação com a sustentabilidade deste território que é classificado, “mas não é um museu”.
“A região, sob o ponto de vista socioeconómico, tem que criar condições que façam com que as populações que aqui vivem e que aqui estão continuem aqui a querer estar e continuem a querer aqui viver”, salientou a empresária.
O caminho passa, defendeu, pela “valorização do produto” e, por exemplo, “pagando melhor” a “qualidade da uva” que os pequenos viticultores entregam.
“Temos de saber valorizar o produto que temos, seja ele vinho, seja ele produto em termos de restauração, hotelaria, enoturismo, em todas as valências que o Douro oferece e sempre com uma preocupação que é a qualidade”, afirmou.
Também Fernando Bianchi de Aguiar, que coordenou o processo de inscrição do ADV na lista do Património Mundial da UNESCO, defendeu ser necessária “uma melhor repartição da riqueza” para que os pequenos produtores não abandonem as suas parcelas.
“A paisagem só se mantém porque há uma atividade que vive dela”, afirmou.
Na sua opinião, as atividades económicas, que são “o principal garante da sustentabilidade desta paisagem”, são os vinhos (Porto e Douro), o azeite e a amêndoa.
E, nestas duas décadas, disse, “houve um decréscimo acentuado” na quantidade de vinho do Porto comercializado, que passou dos cerca de 95 milhões de litros para os 70 milhões de litros.
No dia em que foi apresentado o programa das comemorações dos 20 anos do ADV, a 16 de novembro, o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), Gilberto Igrejas, disse que se “não for acautelado” o pilar da sustentabilidade social dos 19.633 agricultores que diariamente trabalham as vinhas, “dificilmente” se continuará a ter ADV, zona tampão ou RDD.
Em 2019, o negócio do vinho representou 570 milhões de euros no Douro, tendo-se registado uma quebra de cerca de 50 milhões de euros em 2020 e uma “recuperação em 2021 em relação a 2019”.
“Nós estamos a vender mais e a vender mais caro, estamos a ter mais valor, mas é preciso que esse valor que estamos a colocar nas nossas garrafas, nas nossas exportações, chegue também aos agricultores”, frisou.
Na mesma altura, também o presidente da Câmara de Peso da Régua, José Manuel Gonçalves, disse que é preciso ter em “atenção as pessoas”, a sua sustentabilidade e a sua fixação no território. “Se não houver pessoas não há território e não há paisagem protegida. Este é o nosso maior desafio”, frisou.
Nos últimos 20 anos, o Douro perdeu mais de 30 mil habitantes, registando atualmente cerca de 190 mil habitantes, dos quais um quarto com idade superior a 65 anos.
Notificações bloqueadas pelo browser
A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.