Publicidade
Diário Digital

Diário Digital
Diário Digital

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou nesta terça-feira (19) sobre uma nova onda de Covid na Europa, que vive uma situação semelhante à do verão de 2021 no Hemisfério Norte, com quase 3.000 mortes por semana pela doença, e pediu aos governos que se preparem para o desafio do próximo outono e inverno.

“Agora está perfeitamente claro que estamos em uma situação semelhante à do verão passado”, disse o diretor do escritório regional da OMS na Europa, Hans Henri P. Kluge, em comunicado no qual ressaltou que a diferença, desta vez, é que a variante Ômicron prevalece.

“Com o aumento dos casos, estamos vendo também um aumento das hospitalizações, que só vão subir nos meses de outono e inverno, quando as escolas reabrem, as pessoas voltam das férias e a interação social se move dentro de casa com a chegada do tempo frio”, acrescentou.

Essa perspectiva, de acordo com ele, é um “enorme desafio para os trabalhadores da saúde em todos os países, já sob enorme pressão de lidar com crises recorrentes desde 2020”.

“Considere a situação atual: a região europeia viu o triplo de novos casos de Covid-19 nas últimas seis semanas, com quase 3 milhões a mais na semana passada, o que é quase metade de todos os casos no mundo inteiro”, advertiu.

“Enquanto as taxas de hospitalização por Covid-19 duplicaram no mesmo período, as admissões na UTI permaneceram relativamente baixas. Entretanto, como as taxas de infecção seguem aumentando nos grupos etários mais velhos, a Europa continua a ter cerca de 3.000 mortes por Covid-19 a cada semana”, ressaltou.

A estratégia recomendada pela OMS envolve aumentar a taxa de vacinação, administrar uma segunda dose de reforço a pessoas com mais de 5 anos de idade cuja imunidade esteja comprometida, bem como seu ambiente, e considerar uma segunda dose de reforço para certos grupos de risco, pelo menos três meses após sua última dose.

A OMS lembra que o uso de máscara facial dentro de casa e no transporte público deve ser promovido, espaços públicos lotados devem ser ventilados e protocolos de tratamento rigorosos devem ser implementados para aqueles em risco de desenvolver doenças graves.

A organização também exigiu a “priorização” de medidas de rastreamento de contatos e quarentena em ambientes de alto risco, conforme recomendado para todo o mundo, e a promoção de medidas de proteção individual (uso de máscara, ventilação, lavagem de mãos e vacinação).

Esta reportagem é uma publicação original do Portal R7.

 

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.