Publicidade

Por Cláudia Cerqueira (*)
A formação é palavra-chave nas empresas que pretendem apostar no desenvolvimento pessoal e profissional dos seus colaboradores. Inclusive, segundo dados da GoodHabitz de 2022, 91% dos colaboradores portugueses consideram que esta contribui para o seu bem-estar no local de trabalho. Neste sentido, tal como o mercado tem evoluído ao longo dos anos com o avançar da tecnologia, também a formação corporativa se tem reinventado para dar resposta às novas necessidades e exigências dos atuais colaboradores independentemente da sua faixa etária e nível de escolaridade.
Com os avanços da inteligência artificial, realidade aumentada, realidade virtual e machine learning, a formação 100% presencial foi perdendo algum espaço e o online, que antes já era uma realidade, começa a dominar e a transformar esta indústria a um ritmo acelerado. Porém, as questões colocam-se: qual o futuro da formação corporativa? Vamos perder o elemento presencial? Vamos passar a aprender apenas através de um dispositivo tecnológico?
No formato e-learning, as tecnologias emergentes não só levam a formação diretamente ao colaborador a qualquer hora e em qualquer lugar, como têm o potencial de acrescentar contexto, relevância e personalização à experiência de aprendizagem. Neste sentido, são várias as tecnologias que têm vindo a ser utilizadas para otimizar a formação online, nomeadamente, a personalização da aprendizagem de acordo com os objetivos das empresas e colaboradores, a gamificação e até a incorporação da Inteligência Artificial em plataformas online (na GoodHabitz por exemplo estamos a trabalhar para criar um “professor robot” controlado por IA que ajuda os alunos ao longo dos cursos). Se alavancarmos estas ferramentas da forma correta, podemos de facto ajudar a melhorar o desempenho não só individual, mas também das equipas, e aumentar a taxa de engagement nos planos de formação.
Neste sentido, se existem empresas dispostas a abandonar todos os avanços feitos nesta área, resistindo e voltando totalmente à formação do passado, disponível apenas presencialmente, digo-lhes que é impossível voltar atrás. Os números falam por si – dados retirados do estudo “O atual estado da Gestão de Talento”, desenvolvido pela GoodHabitz, 45% dos profissionais em Portugal prefere desenvolver competências através de formação online ou soluções de e-learning. Apenas 21% dos colaboradores preferem a aprendizagem em sala de aula e 35% consideram que o blended learning, a combinação entre formação online e offline, é o método de desenvolvimento que funciona melhor.
Prevemos que o investimento nestas tecnologias emergentes irá aumentar exponencialmente ao longo dos próximos anos, mas um dos ensinamentos que a pandemia nos deixou é que “nem tanto ao mar, nem tanto à terra” – ou seja, não podemos perder o contacto humano a 100%, vivemos para ele e precisamos dele como precisamos de oxigénio. O mercado assim o diz! Como tal, as empresas portuguesas devem abraçar a evolução dos tempos e encontrar uma estratégia e modelo de formação que junte o presencial com o online. O modelo de blended learning pode reunir o melhor dos dois mundos se for implementado de forma eficaz, dando espaço para que os colaboradores se desenvolvam também em equipa
Assim, acredito que o futuro da formação depende de uma mistura de conceitos, sendo fundamental continuar a dar espaço à tecnologia, sem esquecer de desenvolver e atualizar também a componente presencial.
(*) Coach / Customer Success Manager | GoodHabitz
Notificações bloqueadas pelo browser
A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.