Publicidade

De 1994 a 2014 as eleições presidenciais foram polarizadas entre PSDB e PT. Essa polarização era político-eleitoral e não político-ideológica. Estritamente, nem PSDB era direita, nem PT era esquerda.

O PSDB estava situado entre centro e centro-esquerda. Fernando Henrique Cardoso e Mário Covas, dois de seus expoentes, foram dos mais atuantes líderes na Constituinte, para que tivéssemos a atual Constituição de inspiração social-democrata.

O PT, versão da social-democracia assentada nos sindicatos, portanto de centro-esquerda, não fez governos fundamentalmente diferentes do PSDB. Sem tantas restrições orçamentárias da conjuntura do início do Plano Real, os governos petistas puderam ampliar iniciativas tucanas, como o Bolsa Escola e o Fundef, além de fortalecer o SUS, implantado a partir de Itamar Franco, então do MBD e de perfil de centro-esquerda. No plano da economia, mantiveram o chamado tripé macroeconômico dos tucanos, com câmbio flutuante, metas de superávit primário e de inflação, só burlado no governo de Dilma, principalmente por motivação eleitoral. Os governos petistas também não reverteram privatizações e nem o fim do monopólio da Petrobras, reivindicações da esquerda, então pouco representativa no Congresso Nacional.

Enquanto o PSDB defendia o estado regulador, o PT propunha o estado indutor da economia, mas não estatizou empresas. Ao invés, favoreceu várias empresas privadas na controvertida política de “campeões nacionais”. Mesmo no pré-sal, com maior participação da Petrobras, o setor privado não foi excluído.

Mas nem PSDB nem PT promoveram a reforma tributária progressiva, essencial para financiar justiça e bem-estar social. A base de apoio dos governos de ambos no Congresso era majoritariamente conservadora. O sociólogo Luiz Werneck Vianna escreveu que o PT trocou a social-democracia pelo populismo getulista. Mesmo considerando essa análise, ela não retira o PT da centro-esquerda.

­­­­Tanto Marina Silva no PV, em 2010, quanto Eduardo Campos, do PSB, em 2014, foram críticos dessa polarização eleitoral, que consideravam negativa para o país. Propunham uma nova aliança em que fosse possível juntar PSDB e PT, além de outras agremiações políticas.­

Desde 2018, temos uma outra polarização eleitoral. Em um polo, Jair Bolsonaro, próximo da extrema direita. No outro, o PT, na centro-esquerda, movendo-se ao centro. Porém o partido não o detém o monopólio da centro-esquerda. Ciro Gomes, do PDT, corre por fora. E nem todo o centro fechou com Lula. Simone Tebet, da coligação MDB-PSDB-Cidadania-Podemos, tenta se colocar como alternativa.

Em um eventual segundo turno, é possível uma polarização que saia do campo meramente eleitoral em direção ao terreno ideológico: de um lado, forças políticas apegadas ao autoritarismo, de outro, aquelas que defendem o regime democrático. Mesmo tendo votado contra a atual Constituição e enfraquecido o sistema representativo com a compra de parlamentares ? não uma exclusividade sua ?, o PT está no campo democrático.

Entretanto, a polarização não se restringe à questão democrática. Os atuais manifestos pela democracia evidenciam um movimento importante na sociedade civil. Desde 2013, como em vários outros momentos, a sociedade brasileira deseja justiça social, serviços públicos de qualidade, responsabilidade ambiental, além de aperfeiçoamentos institucionais propícios a um poder público longe do velho patrimonialismo e da corrupção. A meu ver, é essa força da sociedade que poderá desencadear mudanças positivas no Brasil
Leia mais (08/06/2022 – 16h55)
source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.