Publicidade
Membros das tropas pró-Rússia dirigem tanques de guerra em Luhansk

Membros das tropas pró-Rússia dirigem tanques de guerra em Luhansk
Alexander Ermochenko/Reuters – 04.07.2022

Autoridades de duas regiões separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia anunciaram nesta sexta-feira (22) que bloquearam o mecanismo de busca do Google, acusando a empresa americana de promover a violência contra os russos.

“Decidimos bloquear o Google no território” de Donetsk, disse o líder separatista Denis Pushilin no Telegram, acusando a gigante americana de promover “terrorismo” e “violência contra todos os russos, especialmente a população do Donbass”.

“Se o Google parar de aplicar sua política criminal e voltar a seguir a lei, a moral e o bom senso, não haverá obstáculo para suas operações”, acrescentou. Pushilin acusou o Google de trabalhar “abertamente a pedido de seus curadores no governo dos EUA”.

A província vizinha separatista de Luhansk tomou a mesma ação na última quinta-feira (21), de acordo com seu líder rebelde local, Leonid Passechnik.

“A guerra não é apenas os mísseis que caem sobre nossas cidades, mas também a nuvem de informações falsas que a Ucrânia nos envia. Infelizmente, o Google se tornou sua principal arma”, acusou.

“Podemos prescindir do Google. Se eles melhorarem, se começarem a respeitar as pessoas, consideraremos restaurar” o mecanismo de busca, acrescentou.

Donetsk e Luhansk se autoproclamaram repúblicas independentes em 2014 e ambas as regiões compõem a bacia de mineração do Donbass, parcialmente controlada por separatistas pró-russos desde o mesmo ano e que atualmente concentra combates entre forças russas e ucranianas.

Autoridades separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, como a Rússia, tentaram reforçar seu controle sobre as informações desde que Moscou lançou sua ofensiva contra a Ucrânia em 24 de fevereiro.

A Rússia adotou novas leis que punem a publicação do que as autoridades consideram “informações falsas” sobre o exército ou suas operações militares no exterior com penas de prisão.

As autoridades russas bloquearam o acesso às redes sociais Instagram, Facebook e Twitter e tomaram medidas legais contra a gigante de tecnologia Meta, acusada de espalhar “apelos para matar” russos.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.