Publicidade
Mulher que mora em mansão abandonada em SP foi processada por manter empregada em trabalho escravo

Mulher que mora em mansão abandonada em SP foi processada por manter empregada em trabalho escravo
Reprodução/Record TV

O caso de Margarida Bonetti, moradora de uma mansão abandonada em Higienópolis, bairro nobre de São Paulo, processada por agredir uma funcionária e mantê-la em condições análogas às de escravidão quando vivia nos Estados Unidos, jogou luz sobre um problema ainda recorrente no Brasil.

Somente no ano passado, operações resgataram 1.937 trabalhadores em condições análogas às de escravos no país, segundo dados da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho, do Ministério do Trabalho e Previdência.

O trabalho análogo à escravidão moderna pode ser identificado por qualquer pessoa, e possui as seguintes características:

– trabalho forçado (indivíduo submetido a exploração, sem poder deixar o local por conta de dívidas ou ameaças);

– jornada exaustiva (horas diárias ou dias por semana desgastantes, que põem em risco a saúde do trabalhador ou trabalhadora);

– servidão por dívida (trabalho para pagar dívidas ilegais que “prendem” o trabalhador à atividade);

– condições degradantes (elementos que indicam a precariedade do trabalho: alojamento insalubre, alimentação de baixa qualidade, maus-tratos, ausência de assistência médica, saneamento básico e água potável).

A denúncia de um caso de trabalho escravo pode ser realizada pelo Disque 100. A notificação do Ministério Público do Trabalho pode ser feita pelo MPT Pardal, aplicativo disponível nos sistemas Android e iOS. A Detrae, divisão do governo federal, recebe denúncias por meio deste link.

Mulher da casa abandonada

O caso de Margarida Bonetti ganhou notoriedade nas últimas semanas após um podcast do jornal “Folha de S. Paulo” sobre o caso. A empregada de Margarida e do marido dela, Renê Bonetti, era obrigada a viver em um porão, que não possuía banheiro ou janelas, e carregava baldes de água para tomar banho, segundo a denúncia. As agressões físicas contra ela eram constantes, aponta o processo.

A patroa e o marido haviam se mudado com a empregada doméstica para os Estados Unidos no fim dos anos 1970. A vítima viveu nas condições de escravidão por duas décadas. Após a denúncia feita por vizinhos, Renê ficou preso por sete anos. Naturalizado norte-americano, ele ainda vive no país. A esposa, por sua vez, retornou ao Brasil para não ser julgada ali, e morou na casa que herdou da família, descendente de barões, que pertencia à elite paulistana.

O crime poderia prescrever em 2012, mas a Corte Interamericana de Direitos Humanos analisa se a pena para a escravidão contemporânea pode se aplicar enquanto o autor estiver vivo. Segundo a Record TV, Margarida foi condenada por escravidão nos Estados Unidos.

Com a repercussão recente do caso, a Polícia Civil de São Paulo pediu autorização à Justiça para ter acesso ao local.

Em junho, filha denunciou idoso em condições degradantes

No mês passado, a denúncia de uma mulher apontou que seu pai, um idoso de 70 anos, e outros dois trabalhadores estavam atuando em condições extremas em uma fazenda de Corumbá (MS).

Imagens produzidas pela filha da vítima e apresentadas à Delegacia de Polícia Federal do município do Pantanal mostraram o acampamento em um local de difícil acesso, no meio de uma mata, com o entorno alagado.

Impedidos de ficar em uma área próxima à sede da fazenda, que possuíam melhor estrutura para a montagem de um acampamento, os trabalhadores dormiam em redes amarradas em árvores e cobertas por uma lona fina, já rasgada pelas chuvas.

Quase 2.000 pessoas foram resgatadas de escravidão contemporânea no Brasil em 2021

Quase 2.000 pessoas foram resgatadas de escravidão contemporânea no Brasil em 2021
Divulgação / MPTMG

Os alimentos oferecidos a eles, segundo relatou a mulher, ficavam em caixas de papelão no chão. Alguns estavam molhados e misturados a baratas, formigas e aranhas. Como o alojamento não possuía banheiro, os homens faziam as necessidades no mato, utilizando-se de água de um poço artesiano para tomar banho – e também para consumo.

Para além das condições degradantes, eles não tinham EPI (equipamentos de proteção individual) e de primeiros socorros, e direitos essenciais lhe foram negados. Isso porque o contratante havia dito que o idoso devia R$ 3 mil em alimentos e materiais de higiene, e não o deixaria sair até que a dívida estivesse quitada. As notas relacionadas às supostas despesas não chegavam a metade do valor: R$ 1,4 mil.

A mulher também cobrou que o gerente da fazenda, responsável pela contratação dos trabalhadores, os levasse alimentos e fornecesse informações de como estavam. No entanto, o compromisso tampouco se cumpriu, já que os empregados negaram, pois seriam cobrados em mais de R$ 700 pela alimentação.

Inicialmente, o gerente havia prometido pagar R$ 8,50 por poste colocado no local, e, ao fim, disse que seriam somente R$ 5 ou R$ 6. Mas os trabalhadores disseram que, durante as três semanas que estavam ali, não receberam pelos serviços – sequer em quantia reduzida. Segundo o empregador, o valor foi utilizado para abater uma suposta dívida com alimentos e produtos de higiene.

O caso se tornou conhecido devido à denúncia apresentada à Polícia Federal. Ao visitar o pai no alojamento, a filha notou se tratar de um local indigno e decidiu fazer registros do que presenciou ali: “Tirei foto de tudo e fiz um vídeo.”

Apresentados os relatos e as imagens, os trabalhadores serão indenizados pelo contratante, condenado pelas condições às quais eles foram expostos: R$ 15 mil serão destinados a eles, e outros R$ 37,5 mil doados a órgão ou entidade indicada pelo MPT (Ministério Público do Trabalho).

Dentre os órgãos responsáveis pelas operações que resgataram quase 2.000 vítimas da escravidão em 2021, somente o MPT (Ministério Público do Trabalho) participou do resgate de 1.671 pessoas em condições análogas à de escravo. Os setores econômicos mais comuns eram plantações de café e cana de açúcar, garimpos, carvoarias e pedreiras, extração de carnaúba, construção civil e oficinas de costura.

Casos como o do trabalhador e a filha na fazenda de Corumbá (MS), que em 2019 já havia sido condenada por irregularidades similares, apontam para a importância das denúncias sobre as condições degradantes às quais profissionais ainda são inseridos.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.