Publicidade

A final não começou bem para o Brasil, derrotado nos dois primeiros jogos. Número dois do país e 86ª do ranking da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, sigla em inglês), Carol Kumahara não resistiu a Paulina Vega, principal mesatenista chilena e 95ª do mundo, superada por três sets a dois (11/6, 9/11, 5/11, 11/4 e 10/12). Em seguida, Giulia Takahashi (288ª) caiu para Daniela Ortega (151ª), também por três a dois (2/11, 7/11, 11/7, 19/17 e 8/11).

A reação iniciou com Laura Watanabe (311ª), que derrotou Judith Morales (197ª) por três a um (11/9, 13/11, 9/11 e 11/9). Mesmo placar da vitória de Carol sobre Daniela (10/12, 11/5, 14/12 e 11/9). A partida entre Giulia e Paulina, então, decidiu o título. Apesar de 21 anos mais nova que a adversária, a brasileira de 17 anos atropelou e venceu por três a zero (11/8, 11/2 e 11/9).

“Estou particularmente feliz em começar o trabalho de uma forma positiva. Só tenho que agradecer, pois as meninas foram guerreiras. A virada começou com a Laura e encontramos depois o nosso melhor. Conseguimos nos adaptar, era um jogo chato, as condições não eram favoráveis. Quando encontramos nosso ritmo, tivemos calma para finalizar e ganhar. É aprender a sofrer para ganhar. Foi uma lição excelente, vão ganhar casca dura”, elogiou o técnico Hideo Yamamoto, que dirigiu a seleção adulta pela primeira vez, ao site da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM).

Na final masculina, o Brasil ficou com o vice-campeonato, superado pela Argentina. Os adversários ganharam os três primeiros jogos e liquidaram o confronto em três a zero. Quarto brasileiro mais bem colocado no ranking da ITTF, na 90ª posição, Eric Jouti foi derrotado por Gastón Alto (109º) por três sets a um (7/11, 11/5, 11/13 e 9/11). Na sequência, Guilherme Teodoro (773º) perdeu para Horácio Cifuentes (78º) pelo mesmo placar (5/11, 4/11, 12/10 e 7/11). Por fim, Rafael Turrini (412º) não resistiu a Santiago Lorenzo (203º) e caiu por três a dois (6/11, 11/8, 7/11, 13/11 e 3/11).

“Acho que mesmo com a derrota na final, vimos várias coisas positivas. Nossa equipe foi uma mistura de experiência e juventude. Os jovens mostraram que podem representar bem a seleção brasileira e criar uma concorrência forte para ter espaço na equipe para os próximos campeonatos”, analisou o técnico Francisco Arado, o Paco, também ao site da CBTM.

O Sul-Americano continua até quarta-feira (27), com as disputas de simples e duplas. O Brasil enviou à competição, nos dois naipes, uma mescla de nomes experientes e caras novas. O time masculino, por exemplo, teve Guilherme e Rafael, estreantes na seleção principal, jogando ao lado de Eric – que foi reserva na Olimpíada de Tóquio (Japão), no ano passado, assim como Giulia, no feminino. 

A “veterana” da delegação é Carol, que representou o país em três edições de Jogos Olímpicos. Destaques como Hugo Calderano (quinto do mundo entre os homens) e Bruna Takahashi (18ª entre as mulheres) não integram o grupo na Colômbia.

source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.