Publicidade

Ele está presente à mesa na manhã da maioria dos brasileiros, ajuda a embalar reuniões de trabalho ou momentos de lazer entre amigos e ainda favorece a circulação de visitantes pelo país. Estamos falando do café, uma das grandes paixões nacionais, cujo Dia Mundial é celebrado nesta quinta-feira (14.04). A bebida é a principal atração de vários roteiros turísticos rurais no país, cativando interessados em conhecer o seu processo de fabricação e, claro, degustá-la.

Minas Gerais, por exemplo, líder na produção do grão no Brasil, oferece várias opções do tipo. Uma delas, a Rota do Café Especial, percorre 35 quilômetros pelas cidades de Carmo de Minas e São Lourenço, proporcionando passeios entre fazendas centenárias – tudo em meio ao deslumbrante cenário da Serra da Mantiqueira. A região, por sinal, é considerada um dos maiores polos mundiais de café, pela qualidade das mercadorias ali processadas.

O interior do estado de São Paulo, principal produtor de café nos séculos 18 e 19, também oferece um farto leque de alternativas. Municípios como Bananal, Cajuru, Itatiba, Monte Alegre do Sul e Serra Negra, que integram o Vale do Café Paulista, abrigam antigas propriedades rurais fabricantes do grão, nas quais o turista tem a oportunidade, ainda, de conferir o estilo arquitetônico colonial português alusivo ao período do ‘ouro negro’, como o café era conhecido.

O ministro do Turismo, Carlos Brito, frisa a importância do café à movimentação de viajantes e defende empenho pelo aproveitamento do potencial associado à bebida. “O Brasil é o maior produtor e exportador de café do planeta e o segundo maior consumidor da bebida. Com esses atributos, precisamos fomentar a estruturação de roteiros e permitir que eles atraiam cada vez mais visitantes, favorecendo o desenvolvimento do turismo nacional como um todo”, sustenta.

A região do Vale do Paraíba Sul do estado do Rio de Janeiro também reserva atrativos para os amantes da famosa bebida. O Vale do Café, composto por cidades a exemplo de Vassouras, Barra do Piraí, Mendes, Paty do Alferes e Paraíba do Sul, proporciona uma imersão na cultura cafeeira, com direito a hospedagem em fazendas históricas e visitas a lavouras, igrejas, museus e estradas que tiveram grande relevância na produção do grão no passado.

A bebida também é a estrela de circuitos turísticos rurais no Espírito Santo, como a Rota dos Vales e do Café. O passeio engloba cidades como Vargem Alta, Cachoeiro de Itapemirim, Muqui, Mimoso do Sul e Marataízes, que abrigam propriedades onde é possível apreciar a arquitetura do período colonial e as heranças da época de ouro do café no Brasil, além de cachoeiras, rios com corredeiras e florestas exuberantes.

Já no Paraná, o roteiro de turismo rural do Norte Pioneiro reúne municípios que permitem ao visitante se aprofundar mais na história do café, a exemplo das cidades de Londrina, Santa Mariana e Ribeirão Claro. Ao longo da rota, alguns produtores abrem as portas de suas fazendas para mostrar aos frequentadores o processo de cultivo do grão, incluindo passeios pela lavoura, a realização da colheita, a secagem do produto e, finalmente, a degustação do líquido.

NORDESTE – Além de abrigar alguns dos mais icônicos destinos de sol e praia no Brasil, o Nordeste do país oferece ao turista alternativas de lazer associadas à bebida. Uma delas, a Rota Verde do Café, percorre localidades do sertão do Ceará, como Guaramiranga, Mulungu, Pacoti e Baturité. O circuito proporciona ao visitante fazer passeios por propriedades e casarões antigos, que retratam a trajetória da produção do grão na região.

Conhecer a cultura cafeeira também constitui uma boa pedida na Chapada Diamantina, na Bahia, onde o cultivo do grão, iniciado em meados do século XIX, é favorecido pelo clima ameno das altitudes mais elevadas. Na comunidade Santa Bárbara, por exemplo, no município de Piatã, o turismo rural garante ao visitante experiências em plantações e contato direto junto a agricultores familiares que produzem a bebida.

SUPORTE – O apoio a roteiros baseados no café é um dos objetivos da segunda edição do projeto Experiências do Brasil Rural, ação do governo federal voltada ao fortalecimento do turismo no campo. Além do grão, a iniciativa, uma parceria entre os ministérios do Turismo, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e a Universidade Federal Fluminense, assegura apoio técnico a rotas especializadas nas cadeias agroalimentares da cachaça, da farinha de mandioca e do mel.

O projeto busca impulsionar produtos e serviços da agricultura familiar associados ao turismo, diversificando a oferta turística brasileira por meio da inserção destes no mercado de viagens.

HISTÓRIA – Descoberto por comerciantes árabes na Etiópia e levado para o Egito, a Turquia e outros países africanos, o café chegou ao Brasil no século XVIII, pelas mãos de um fazendeiro do Pará. Devido a circunstâncias climáticas, de relevo e solo, em meados do século XIX, a cultura se estabeleceu mais fortemente no Vale do Rio Paraíba, nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, iniciando um novo ciclo econômico no Brasil.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Read More

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.