Publicidade
Martelo da justiça
Martelo da justiça

Um YouTuber cristão foi condenado a 10 anos de prisão por postar um vídeo que supostamente ofendeu pessoas em toda a Indonésia, país de maioria muçulmana.

Muhammad Kace, um ex-clérigo muçulmano que se converteu ao cristianismo em 2014 e estava enviando vídeos para o YouTube criticando sua antiga fé, foi condenado a 10 anos de prisão pelo Tribunal Distrital de Ciamis em Java Ocidental.

No dia de sua sentença, os muçulmanos cercaram o tribunal exigindo um processo mais severo contra o convertido, de acordo com o International Christian Concern (ICC), órgão de vigilância de perseguição com sede nos EUA.

Kace foi preso em Bali em agosto passado depois de enviar um vídeo de sermão no qual supostamente insultava o profeta islâmico Maomé. De acordo com a UCA News, grupos muçulmanos apresentaram várias queixas sobre esse vídeo em que ele disse: “Muhammad é desconhecido por Deus e só é conhecido por seus seguidores porque está cercado por demônios”.

Quando os promotores exigiram uma pena de 10 anos de prisão para ele, Bonar Tigor Naipospos, vice-presidente do grupo de direitos humanos Setara Institute for Democracy and Peace, com sede em Jacarta, observou que Muhammad Yahya Waloni, um muçulmano convertido ao cristianismo, foi recentemente condenado por um crime semelhante de ofensa contra os cristãos, mas ele recebeu apenas cinco meses.

A polícia alega que Kace enviou pelo menos 400 vídeos insultando o Islã. E ele fez isso intencionalmente para provocar agitação pública, disse o promotor-chefe Syahnan Tanjung ao tribunal. “Isso é ultrajante, por isso merece uma sentença dura”, disse ele.

Na prisão, Kace foi espancado e torturado por um policial que foi detido na mesma prisão devido a um caso de corrupção, disse o ICC, acrescentando que o policial forçou Kace a comer seu excremento.

O advogado de Kace, Martin Lucas Simanjuntak, disse que seu cliente vai recorrer da sentença.

“O governo indonésio deve revogar imediatamente a lei de blasfêmia”, disse Andreas Harsono, pesquisador sênior da Human Rights Watch Indonesia, à ICC. “Tanto o pregador cristão Mohammad Kace quanto o clérigo muçulmano Yahya Waloni não precisam ficar uma única noite na prisão por causa da lei tóxica”.

Timothy Carothers, gerente de advocacia da ICC para o Sudeste Asiático, disse: “O direito de falar o que pensa é essencial e deve ser protegido. Este tipo de tratamento e punição sob a lei indonésia é uma realidade vergonhosa. Enquanto a Indonésia continuar a impor a harmonia religiosa por meio de regulamentação e acusação, continuará a alcançar o oposto”.

O país do Sudeste Asiático abriga a maior população muçulmana do mundo. Sua Constituição é baseada na doutrina de Pancasila – cinco princípios que sustentam a crença da nação no único Deus e justiça social, humanidade, unidade e democracia para todos.

No entanto, existem muitos grupos extremistas na Indonésia que se opõem ao Pancasila.

As igrejas muitas vezes enfrentam oposição de grupos que tentam obstruir a construção de casas de culto não-muçulmanas.

Folha Gospel com informações de The Christian Today

Read More

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.